Ana Dias, a Fotógrafa Portuguesa da Playboy em 16 Países

Ana Dias, a Fotógrafa Portuguesa da Playboy em 16 Países

Ana Dias é provavelmente a pessoa que mais sabe sobre revistas masculinas em Portugal, dada a sua larga experiência com mais de 30 sessões fotográficas para a Playboy em 15 diferentes países. Ana Dias explica também porque é tão difícil fotografar nus em Portugal. E as razões da sua relação com a fotográfia erótica.
image
Aos 11 anos passou num quiosque com a mãe e viu uma revista “Playboy” com a sua ídolo na capa: a voluptuosa Pamela Andersen. Perguntou se a mãe podia comprar, mas a resposta foi negativa, porque era “uma revista para adultos”. Ana Dias, não se deixou ficar e levou a publicação sem ninguém perceber… nem mesmo o dono da loja. Não, não é um caso de cleptomania. Foi um sinal da sua vocação e obsessão pela fotografia erótica.

Foi o seu primeiro contacto com a revista, sem imaginar que 19 anos mais tarde viria a ser a única fotógrafa portuguesa com tantas contribuições para aquela publicação. Já lá vão cerca de 30, em 15 países diferentes: Portugal, Sérvia, México, África do Sul, Eslovénia, Croácia, República Checa, Itália, França, Polónia, Bulgária, Alemanha, Roménia, Brasil e Grécia.

Quando ainda dava aulas de litografia, gravura e serigrafia na Escola Superior Artística do Porto, Ana Dias descobriu a paixão pela fotografia e, ao mesmo tempo, “o fascínio pelo corpo humano, pelo corpo da mulher”. Começou por fotografar amigas, mas foi o prémio do site “Olhares” que a atirou definitivamente para a profissão. O trabalho de sabor vintage com três modelos – duas russas e uma brasileira, uma ruiva, uma loira e uma morena – a que chamou “Big girls don”t cry”, abriu-lhe as portas em Portugal e no estrangeiro. No Porto começou por fazer books de aspirantes a modelos e fotos de manequins consagrados, além de catálogos de moda e algumas fotografias publicitárias. Saiu do Porto para Lisboa há seis anos. Mora e fotografa no Chiado.

Ana Dias sempre comprou revistas “Playboy”, sobretudo as mais antigas. Nas viagens, conta-nos, costuma comprar as versões nacionais da revista fundada por Hugh Hefner. Um dia comprou a “Playboy” na Polónia e o anúncio de um concurso de fotografia levou-a a concorrer a um desafio semelhante, mas na versão sérvia. Ganhou o 3.o lugar e a partir daí nunca mais deixou de fotografar para a “Playboy”.

Normalmente, explica, “os responsáveis da revista enviam representantes e as modelos a Portugal para as sessões fotográficas”. Ou, em alternativa, é ela mesmo que se desloca aos países. Por cá trabalhou para a versão portuguesa da revista norte-americana e, no pouco tempo que funcionou, ainda teve tempo para fazer algumas capas, a primeira com a modelo Raquel Henriques. A publicação acabaria por fechar em 2013. “Neste momento não há nenhuma revista erótica portuguesa”, lamenta.

A marca “Ana Dias Photography” assume a fotografia erótica e é nessa área que gosta de trabalhar. Em Portugal, refere, “é muito difícil fotografar nus de mulheres bonitas ou modelos. Mais do que nos restantes países”. Em alguns casos, recorda, “estava tudo pronto para a sessão fotográfica e telefonam a dizer que engordaram dois quilos, que a mãe ou o namorado não deixam ou outras desculpas”.

A fotógrafa do Porto prefere trabalhar com mulheres porque “o corpo delas é mais bonito do que o dos homens”. É heterossexual, esclarece, mas prefere mulheres para fotografar. Ana Dias acrescenta que “as fotos eróticas de homens quase não têm lugar nas revistas – a “Playgirl” abriu por pouco tempo – com excepção das dirigidas à comunidade gay, até porque às mulheres não lhes interessa muito ver fotos eróticas de homens”.

Apesar de fotografar muitos tipos de mulheres, para Ana Dias o ideal de beleza continua a ser “uma mulher de olhos claros e afastados, cabelos claros, testa alta, nariz empinado, lábios carnudos e magra”. Gosta de fotografar mulheres que se sintam à vontade e confortáveis com o seu corpo, “porque se nota perfeitamente nas fotos”. No que diz respeito às plásticas, não é fundamentalista, mas aprecia “o natural”. Se lhe dessem a escolher duas mulheres para fotografar, uma portuguesa e uma estrangeira, “escolhia Sara Sampaio e Marion Cotillard… e Pamela Andersen”. Claro.

Related posts

Fotógrafo Alexander Bazilev Lança Nova Bomba Russa em Vídeo

Fotógrafo Alexander Bazilev Lança Nova Bomba Russa em Vídeo

Kate Homesession | 2017 from alexbazilev_ph on Vimeo.

Lúcia Custódio, a Doce Assistente do Programa de TV “Preço Certo”

Lúcia Custódio, a Doce Assistente do Programa de TV "Preço Certo"

Miss Reef 2016, o Calendário da Marca de Surf do Brasil

Miss Reef 2016, o Calendário da Marca de Surf do Brasil

Vídeo Erótico do Fotógrafo Alexander Polyakov

Vídeo Erótico do Fotógrafo Alexander Polyakov

To be continued from KINOSTUDIYA.RU on Vimeo.

Olya Abramovich, a Nova Estrela Russa, Filmada por Evgenyi Demenev

Olya Abramovich, a Nova Estrela Russa, Filmada por Evgenyi Demenev

Hate Or Glory by Evgenyi Demenev! from Evgenyi_Demenev on Vimeo.

Patrick Rochon, o Fotógrafo que Transforma Efeitos de Luz em Arte

Patrick Rochon, o Fotógrafo que Transforma Efeitos de Luz em Arte

Leave a comment